Nome

Nome: informação básica com a qual nos acostumamos. O tempo passa, e ele gruda tanto em nós que já não há diferença entre a pessoa e, digamos, a denominação dada a ela pelos pais.
Eu sou “Lissânder”, e não imagino quem eu seria sem o meu nome. Teria eu a mesma personalidade? O mesmo sotaque? O mesmo carinho dos outros? Seria igual o tom de irritação da minha esposa ao gritá-lo? E, nos momentos de doçura, ela teria o mesmo prazer ao pronunciá-lo?
Lembro da época na infância em que eu costumava escrever meu nome em todos os lugares. Lugares apropriados e outros nem tanto: quadro negro da sala de aula, caderno, cadeira escolar, próprio corpo, etc. Eu costumava preencher os tempos de ócio e desatenção com o hábito bobo de escrever repetidamente o meu nome em formatos e estilos diversificados.
No meu caso, por possuir um nome incomum, o dilema inicial era: porque meus pais não fizeram opções mais fáceis como: “João”, “Carlos” ou “Artur”? Mas aí os anos foram passando, e a intimidade entre eu e meu nome nos transformou em bons amigos. Não consigo viver sem ele. Ele é protagonista da minha história.
Ontem minha irmã Milena, grávida há mais de 5 meses, descobriu que será mãe de uma menina. O nome já está escolhido: Beatriz. Agora já não falamos de um “bebê”, mas da Beatriz. As imagens são mais concretas, reais. Até o rosto parece mais visível.
Enquanto escrevo, penso o quanto Deus valoriza os nomes. Não pela importância social em si, mas pela história pessoal que carrega. Deus se interessa por esta história – cheia de erros, mas de redenção também. Alguns personagens bíblicos – como Abraão, Sara e Paulo – foram tão marcados por Deus que receberam novos nomes. Como disse Eugene Peterson, “nomear é focar o essencial. […] O nome é parte da fala pela qual somos reconhecidos como pessoa”.
Quando o anjo do Senhor anunciou à Maria que ela foi a escolhida para gerar o Messias, fez parte do anúncio o nome: “ela dará à luz um filho, e você deverá dar-lhe o nome de Jesus, porque salvará o seu povo dos seus pecados”. (Mt 1.21).
O que seria a salvação operada por Cristo senão a redenção da nossa dignidade como pessoas criadas por e para Deus? João enxergou corretamente isso quando lembrou que os servos de Deus têm seus nomes escritos no livro da vida do Cordeiro (Ap. 21.27). Para ser real, tamanha dignidade só pode ser concedida além das nossas forças e méritos. Todo nome é um gracioso presente.
PS.: Que venha nossa querida Beatriz!

Texto do cunhado, postado no seu blog Fatos e Correlatos.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: